Polícia de SP prende cinco membros de quadrilha: Descubra como rouba remédios como Ozempic e Venvans

广告位火热招租中

Agentes do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), da Polícia Civil de São Paulo, prenderam neste sábado, 16, cinco integrantes de uma quadrilha especializada em roubar medicamentos de alto custo de farmácias da capital paulista. As apreensões aconteceram em Guarulhos, na Grande São Paulo, em uma casa na Serra da Cantareira que o grupo usava para se esconder e para guardar os remédios roubados.

Todos os fármacos levados pelos suspeitos, além de armas, celular, uma moto e dois veículos furtados, também foram apreendidos, segundo o Deic.

Cinco membros de quadrilha que roubava remédios de alto custo foram presos em ação do Deic. Foto: Policia Civil/Divulgação

Operação policial em local de difícil acesso

A ação policial deste sábado foi conduzida pelos agentes da 5ª Delegacia de Patrimônio (Investigações sobre Roubo a Bancos), que teve apoio do Grupo Especial de Reação (GER). A casa onde estavam os detidos é de difícil acesso, segundo o Deic, que descreveu o imóvel como cercado por mata nativa densa, muros altos e instalado na parte superior de um terreno em aclive.

Como o grupo foi monitorado?

O grupo já era monitorado desde o início de março, após a prisão de dois homens suspeitos de integrarem a quadrilha. "As informações, obtidas a partir das duas prisões, abriram novas frentes de apuração. No curso de diligências de campo foi possível identificar o esconderijo utilizado pelo grupo", disse a polícia, em nota.

Produtos visados e prejuízos causados

O foco dos criminosos são produtos Ozempic e Saxenda, medicamentos que auxiliam no emagrecimento, e o Venvanse, remédio prescrito para pacientes diagnosticados com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Os fármacos visados pelos criminosos são caros e podem custar mais de R$ 1 mil, como o Ozempic. Conforme mostrou o Estadão, os crimes chegaram a provocar um prejuízo de 1,2 milhão às farmácias.

Roubos de medicamentos de alto custo causaram prejuízos significativos às farmácias. Foto: Unsplash

Foi mais de 20 ocorrências do tipo já registradas e, de acordo com o delegado Pedro Ivo, titular da Delegacia de Roubo a Bancos do Deic, os criminosos tinham uma preferência para assaltar farmácias de bairros como Mooca, na zona leste, além de Moema, Saúde e Jabaquara, na zona sul. O grupo, segundo Ivo, evitava estabelecimentos instalados nos extremos da cidade.

Qual a atuação do grupo?

Não há indício de relação da quadrilha com grupos maiores, conforme o delegado. Ele afirmou ainda que não há exatamente um "cabeça" no esquema, mas funções que se revezam. "Era sempre um esquema parecido: um dirige e três ingressam", disse Ivo. /COLABOROU ÍTALO LO RE

Veja também

  • Como agia quadrilha que roubava Ozempic e mais remédios; prejuízo supera R$ 1,2 milhão
  • Roubos no ‘drive’ das escolas assustam pais de alunos na Vila Madalena e na Pompeia
  • Quem é ‘Brahma’, do PCC, alvo de sanções do Tesouro dos Estados Unidos

Se gostou deste artigo, deixe um comentário, siga-nos para mais atualizações, curta e compartilhe. Obrigado por ler!


Por /


广告位火热招租中