Hábitos de vida podem proteger o cérebro mesmo quando já existem sinais de demência; confira estas e

广告位火热招租中

Um estilo de vida saudável está associado a uma melhor função cognitiva em idosos – mesmo naqueles cujos cérebros mostram sinais de demência, segundo pesquisa publicada na JAMA Neurology em fevereiro. O estudo sugere que um estilo de vida saudável pode proteger adultos mais velhos contra o declínio cognitivo e aumentar sua “reserva cognitiva”.

Os pesquisadores utilizaram dados do Rush Memory and Aging Project, um estudo de longo prazo que analisou os estilos de vida e a saúde dos pacientes e avaliou dados de autópsias de 1997 a 2022.

Os cientistas examinaram informações demográficas, de estilo de vida e pós-morte de 586 pacientes, incluindo detalhes sobre dietas, funcionamento cognitivo antes da morte e fatores de estilo de vida, como consumo de álcool e prática de atividade física.

Por que um estilo de vida saudável é importante para a função cognitiva em idosos?

Os pacientes, 70,8% dos quais eram do sexo feminino, viveram até uma média de idade de 90,9 anos. Suas autópsias cerebrais foram examinadas para sinais físicos associados à demência, incluindo o acúmulo de placas amiloides, que interrompem a função celular no cérebro e estão associadas à doença de Alzheimer.

Qual é a relação entre um estilo de vida saudável e a "reserva cognitiva"?

Entre todos os pacientes, maiores pontuações de estilo de vida saudável em cinco domínios – dieta, atividade cognitiva no final da vida, atividade física, cessação do tabagismo e baixo consumo de álcool – foram associadas a uma melhor função cognitiva antes de suas mortes.

Como os fatores de estilo de vida podem influenciar na cognição de idosos com sinais de demência?

A associação se manteve mesmo quando as autópsias mostraram sinais de mudanças cerebrais consistentes com demência. No geral, apenas um aumento de um ponto na pontuação de estilo de vida foi associado a uma cognição melhor.

O estudo sugere que um estilo de vida saudável, que inclui a prática de exercícios físicos, pode impulsionar a “reserva cognitiva” das pessoas.
Fatores de estilo de vida, como dieta e nutrição, podem proteger o cérebro de inflamações e estresse oxidativo, segundo os pesquisadores.

Leia também:

  • Comprometimento cognitivo leve pode ser estágio anterior ao Alzheimer; saiba identificar

  • Intestino tem conexão profunda com doenças do cérebro, como Alzheimer e Parkinson; entenda

  • Fazer exercício é hábito protetor contra demência; estudo traz pistas sobre um dos motivos para isso

‘Reserva cognitiva’

A análise sugere que um estilo de vida saudável pode impulsionar a “reserva cognitiva” das pessoas, permitindo que os pacientes permaneçam lúcidos apesar de mudanças em seu cérebro.

Fatores de estilo de vida, como dieta e nutrição, podem proteger o cérebro de inflamações e estresse oxidativo, escrevem os pesquisadores. A maioria dos pacientes na amostra do estudo era branca, e os pesquisadores observam que as informações sobre estilo de vida eram auto-relatadas.

A análise “é um passo crucial para a frente” no enfrentamento de questões sobre as conexões entre estilo de vida, mudanças cerebrais e cognição, escrevem dois pesquisadores em um editorial na JAMA Neurology.

Eles sugerem que fatores de estilo de vida sejam prescritos junto com medicamentos para a doença de Alzheimer e pedem mais estudos que olhem para a redução de risco de demência entre grupos diversos.

Leia também:

  • 5 exercícios que odiamos e por que você deve fazê-los mesmo assim

*Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Por favor, deixe seu comentário abaixo, siga-nos para mais atualizações, dê um like se achou este conteúdo útil e obrigado por ler!


Por /


广告位火热招租中