A Europa pode salvar as florestas sem acabar com os empregos na Malásia? Descubra as soluções susten

广告位火热招租中

A futura proibição da União Europeia sobre as importações ligadas ao desmatamento foi saudada como um “padrão ouro” na política climática: uma medida significativa para proteger as florestas do mundo, que ajudam a remover da atmosfera os gases de efeito estufa que destroem o planeta.

Desafios das Importações Ligadas ao Desmatamento

A lei exige que os comerciantes rastreiem as origens de uma variedade surpreendente de produtos - carne bovina e livros, chocolate e carvão vegetal, batom e couro. Para a União Europeia, o mandato, que entrará em vigor no próximo ano, é uma prova do papel do bloco como líder global em mudanças climáticas.

Indignação e Riscos Econômicos

A política, no entanto, foi apanhada em meio a ferozes correntes cruzadas sobre como lidar com as compensações econômicas e políticas exigidas pela mudança climática em um mundo onde o poder está mudando e as instituições internacionais estão se fragmentando.

Imperialismo Regulatório e Desenvolvimento Sustentável

Os países em desenvolvimento expressaram sua indignação, sendo que a Malásia e a Indonésia estão entre os mais veementes. Juntas, as duas nações fornecem 85% do óleo de palma do mundo, uma das sete commodities essenciais abrangidas pela proibição da União Europeia. E eles afirmam que a lei coloca suas economias em risco.

Malaysia

Questionamentos sobre Justiça e Protecionismo

Na visão deles, os países ricos e tecnologicamente avançados - e as antigas potências coloniais - estão mais uma vez ditando os termos e mudando as regras do comércio quando lhes convém. “Imperialismo regulatório”, declarou o ministro da economia da Indonésia.

Impactos Econômicos e Ambientais

Essa visão se encaixa nas reclamações dos países em desenvolvimento de que a ordem internacional vigente negligencia suas preocupações. A disputa sobre o óleo de palma também encapsula uma tensão central na economia da mudança climática: o argumento de que as nações de renda baixa e média estão sendo obrigadas a arcar com o custo de mudanças ambientais devastadoras causadas principalmente pelas nações mais ricas do mundo.

Indonesia

Leia também

  • Maioria das empresas vê na transição tecnológica e ambiental chave para o sucesso
  • Renata Piazzon: Restauração florestal e um novo imaginário de desenvolvimento
  • Novos unicórnios? Impulso da agenda ESG cria oportunidades para startups com impacto socioambiental

Conclusão e Desafios Futuros

As preocupações foram compartilhadas por defensores da luta contra a pobreza e até mesmo por alguns ambientalistas. "Muitas pessoas serão pegas de surpresa quando isso entrar em vigor no ano que vem", disse Pamela Coke-Hamilton, diretora-executiva do International Trade Center, uma agência das Nações Unidas criada para ajudar os países pobres a criar riqueza por meio do comércio.

Comente abaixo com sua opinião sobre o impacto das regulamentações ambientais nas economias em desenvolvimento. Agradeço por ler e compartilhar!


Por /


广告位火热招租中